Feira de Cultura

JUSTIFICATIVA

Está se vivendo a era das informações rápidas, das mudanças nos paradigmas em diversos campos, dos seres conectados e interativos. Todos os dias e todas as horas em constante interação e, hoje, por meio das ferramentas de mídias sociais e de comunicação on-line, conseguimos estar em contato com as pessoas das mais variadas localidades. Porém, apesar dessa constante interatividade, o que se vê é que as relações interpessoais próximas parecem cada vez mais superficiais, e, consequentemente, palavras relacionadas a cortesia, empatia e amabilidade.

A impressão que fica é que a vida moderna, repleta de competitividade e escassa de tempo, dificulta as relações de gentileza e delicadeza. Afinal, como ser gentil enquanto enfrenta-se o trânsito caótico das grandes cidades?  Como ter tempo e paciência para ouvir o outro em um dia a dia tão cheio de tarefas e obrigações?

Gentil é aquele que contribui para um ambiente mais harmonioso, que possui, de forma espontânea, habilidades sociais desenvolvidas e adequadas. Gentileza é generosidade, altruísmo, solidariedade, interesse pelo outro, oferecer amizade, retribuir gentilezas, promover cortesia, conjugar o ensinar, o sorrir e contribuir para o outro sorrir.

Resgatar os valores morais e culturais que parecem adormecidos ou esquecidos em prol de uma modernidade sem limites, materialista, que tira do jovem o direito de sonhar, ter esperança e acreditar em uma perspectiva de vida, onde haja uma convivência pacifica e harmoniosa, começando pela relação família, comunidade e escola.

A educação, como uma das mais importantes instâncias da sociedade, possui uma dimensão moral, que tem a intenção de realizar uma educação na perspectiva do desenvolvimento da capacidade de autonomia das crianças e jovens com que se trabalha. A moral já se encontra presente na prática educativa que se desenvolve nas escolas. No cotidiano escolar, os valores se traduzem no regulamento escolar e nas finalidades do ensino e aprendizagem, tornando-se necessário que se reflita sobre esses princípios e essas regras, para que se instalem no ambiente escolar, ações e relações democráticas.

O desafio que se apresenta à escola é trabalhar com crianças e adolescentes de maneira, responsável e comprometida, do ponto de vista ético, proporcionando as aprendizagens de conteúdos e desenvolvendo capacidades que possam transformar a comunidade de que fazem parte, e fazer valer o princípio da dignidade, criando espaços de possibilidade para a construção de uma sociedade na qual a questão da moralidade deva ser uma questão de todos e de cada um.

A gentileza deve ser praticada em todos os espaços, e esta deve ser uma aprendizagem que precisa ser ensinada não somente no ambiente familiar, mas principalmente no ambiente escolar, pois a educação abrange também o desenvolvimento afetivo-social. É necessário que a gentileza seja praticada em todas as situações do nosso cotidiano, quer seja na rua, em casa, na escola, em um clube, etc., em todos esses lugares é possível aprender as relações de respeito e atenção com o outro, gerando vínculos saudáveis. Tal ação sendo desenvolvida na escola estender-se-á por toda a sociedade atingindo todos os grupos sociais existentes.

É nessa perspectiva, que o Colégio CEMA traz na XXVI Feira Artístico Cultural o tema “Gentileza Urbana em Camaçari”,  por acreditar no poder da gentileza e incentivar a  praticá-la todos os dias, a pensar mais no outro, conectando-se e envolvendo os alunos em ações solidárias positivas na sociedade da nossa cidade.